Invictas e sem perder sets nos Jogos Olímpicos do Rio, a seleção brasileira feminina de vôlei terá como adversário nas quartas de final a China, atual vice-campeã mundial. A equipe do treinador José Roberto Guimarães duelará com as chinesas às 22h15 desta terça-feira (16.08), no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro. Até o momento foram cinco jogos e cinco vitórias da equipe verde e amarela. 

Enquanto o Brasil se classificou em primeiro do grupo A, a China terminou a fase de classificação em quarto no grupo B, com duas vitórias e três derrotas. Os outros confrontos das quartas de final serão entre Coréia do Sul e Holanda, Estados Unidos e Japão e Sérvia contra a Rússia. Caso passe adiante, o Brasil enfrentará o vencedor de Coréia x Holanda na semifinal.

 A oposta Sheilla chama atenção para os Jogos Olímpicos de Londres para que a seleção brasileira tenha cuidado a partir da próxima fase. 

“Temos que estar muito atentas. Em Londres, ficamos em quarto na fase de classificação, cruzamos com a Rússia e eliminamos o time delas. Sabemos que nos Jogos Olímpicos tudo pode acontecer, principalmente a partir de agora. Naquele episódio, todos pensaram que nosso time estivesse morto e nós revivemos. Agora temos que usar isso coimo exemplo e buscar essa vaga na semifinal”, afirmou Sheilla. 

A atacante ressaltou a importância de a equipe brasileira ter enfrentado times com características diferentes durante a fase classificatória – o Brasil enfrentou Camarões, Argentina, Japão, Coréia do Sul e Rússia.

“Jogar com várias escolas diferentes sempre ajuda, mas a China é um time asiático, porém mais alto. Não é mais baixo como Japão e Coréia. A China tem jogadoras de quase dois metros de altura, então é um grupo que tem as qualidades de um time asiático, que defende e joga rápido, mas com esse diferencial da altura. Por isso, contamos muito com a torcida, que vai ser mais um jogador dentro de quadra”, afirmou Sheilla.

A ponteira Natália também destacou as qualidades do próximo adversário e, assim como sua companheira de equipes, alertou para o novo momento da competição.

“A China é aquele time chato de jogar. Talvez seja uma Coréia do Sul e um Japão misturados, em um nível maior, porque tem grandes atacantes do outro lado. Temos que tomar todo cuidado do mundo. Agora é um outro campeonato, zera tudo, não influencia tanto quem ficou em primeiro ou em quarto, e temos que ir com força total e muito foco para passar para essa semifinal”, concluiu Natália.|

Retrospecto 

Brasil e China já se enfrentaram seis vezes na história dos Jogos Olímpicos, com quatro vitórias das brasileiras e duas das chinesas. Em torneios com a chancela da Federação de Internacional de Voleibol são 37 resultados positivos da equipe verde e amarela e 22 vitórias do time asiático. 

A seleção brasileira feminina de vôlei tem dois títulos olímpicos (Pequim/2008 e Londres/2012) e duas medalhas de bronze (Atlanta/1996 e Sydney/00).

Partidas do Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio

06.08 - Brasil 3 x 0 Camarões (25/14, 25/21 e 25/13)
08.08 – Brasil 3 x 0 Argentina (25/16, 25/19 e 25/11)
10.08 – Brasil 3 x 0 Japão (25/18, 25/18 e 25/22) 
12.08 – Brasil 3 x 0 Coreia do Sul (25/17, 25/13 e 27/25)  
14.08 – Brasil 3 x 0 Rússia (25/23, 25/21 e 25/21)

Quartas de final 

16.08 – Brasil x China, às 22h15

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro