No Rio de Janeiro (RJ) - 16.08.2016

Alison e Bruno Schmidt estão na final do torneio masculino de vôlei de praia dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Os brasileiros tiveram um grande desafio na tarde desta terça-feira (16.08), mas levaram a melhor contra os holandeses Brouwer e Meeuwsen por 2 sets a 1 (21/17, 21/23, 16/14), em 59 minutos, e lutarão pelo ouro em casa.

A final ocorre na próxima quinta-feira, às 23h59, contra os italianos Nicolai/Lupo, que venceram os russos Semenov e Krasilnikov. Os brasileiros possuem retrospecto positivo contra o time da Itália, tendo vencido cinco dos oito jogos contra a dupla, atual campeã europeia.

É a quinta vez consecutiva que o Brasil chega à final do torneio masculino dos Jogos Olímpicos. Além do ouro com Ricardo e Emanuel, nos Jogos de Atenas, em 2004, foram outras três pratas. A primeira em Sydney-2000, com Ricardo/Zé Marco. Em Pequim-2008, com Fábio Luiz/Márcio Araújo, e em Londres-2012, com o próprio Alison, ao lado de Emanuel.

O duelo pela semifinal foi marcado por reviravoltas. Após vencerem o primeiro set, os brasileiros tiveram a chance de fechar em três pontos do jogo na segunda parcial, mas os holandeses cresceram e levaram para o tie-break. Mesmo atrás, a dupla brasileira manteve a calma, conseguiu a virada no set de desempate e confirmou a vitória para êxtase da torcida em Copacabana.

Melhor jogador do Circuito Mundial em 2015, Bruno Schmidt comentou sobre a força mental da dupla, que não se abateu após levar a virada no final do segundo set.

"Jogar voleibol aqui, muitas vezes é o de menos. Tem que ficar focado, concentrado. Começaram bem no tie-break. Alison e eu tivemos que nos olhar, falar mais um com o outro, mostrar: ‘olha, não acabou’. O que passamos hoje foi importante para subir um degrau na parte mental, não é fácil controlar as emoções, jogar em casa. Isso mostra crescimento", disse.

Alison se emocionou após a partida e foi abraçar os familiares na arquibancada. Ele explicou o que sentiu após o ponto final e lembrou de profissionais que o ajudaram na carreira.

"Chorei porque passa um filme na cabeça, todo mundo que me ajudou, profissionais que não estão mais comigo, amigos, familiares. Todo ser humano, quando alcança um grande momento na carreira, sente isso. Sou muito grato por todos que me ajudaram. A vida do atleta é sempre acreditar, se superar", destacou o ‘Mamute’.

Alison foi gigante no bloqueio, em uma disputa bastante acirrada contra Meeuwsen. O brasileiro conseguiu 12 pontos no fundamento, contra 10 do holandês. A dupla europeia conseguiu o único ace do jogo, mas também ofereceu um ponto a mais em erros. Equilíbrio nos números, mas maior ‘frieza’ dos brasileiros na hora da decisão.

O Jogo
A partida começou bem equilibrada, com as duas duplas virando seus ataques. Os holandeses tinham vantagem mínima, mas um belo bloqueio de Alison recolocou o Brasil na frente: 5 a 4. O Mamute estava inspirado no fundamento. Dois bloqueios de Alison aumentaram a vantagem para 10 a 7, forçando pedido de tempo da Holanda. Na parada técnica, o brasiliense e o capixaba venciam por 12 a 9 e empolgavam a torcida em Copacabana.

Mantendo volume de jogo, com boas defesas e contra-ataques, Bruno manteve a diferença em três pontos com ataque no fundo. Em ataque forte na diagonal, o melhor do mundo de 2015 anotou mais um: 19 a 15. Concentrados, sem deixar a dupla da Holanda crescer, os brasileiros fecharam o primeiro set por 21 a 17 em ataque de Alison explorando o bloqueio.

O Brasil começou abrindo 2 a 0 no segundo set, mas acabou sofrendo a virada com três pontos seguidos dos holandeses. Alison conseguiu mais um importante bloqueio e virou para o Brasil: 8 a 7. O time europeu deu o troco. Meeuwsen parou Bruno Schmidt e os holandeses foram para a parada técnica vencendo por um de vantagem: 11 a 10.

O Brasil virou o placar em ataque para fora dos adversários: 14 a 13. O jogo era marcado pelo equilíbrio, com os dois times bem na virada de bola. Alison atacou para fora e Brouwer/Meeuwsen virara: 16 a 15. Um toque na rede dos europeus e uma bola para fora devolveram a liderança do placar aos atuais campeões mundiais.

Alison entrou em cena novamente com um bloqueio importante e o time brasileiro vencia por 18 a 17. O caldeirão explodiu na sequência, com outra bola para fora dos holandeses após um rally bastante disputado: 19 a 17. Brouwer salvou o primeiro ponto do jogo, em bela diagonal forte. Meeuwsen salvou os dois seguinte, em bloqueios seguidos sobre Alison. A dupla brasileira acabou sentindo e os holandeses cresceram. Fecharam o set em ace: 23 a 21, levando para o tie-break.

A equipe da Holanda cresceu e começou abrindo 3 a 1 no set de desempate, com bloqueio de Meeuwsen sobre Alison. Os times entraram no ritmo e passaram a virar suas bolas. Um bloqueio de Alison deu a vantagem ao Brasil: 5 a 4. Pouco depois, outro bloqueio do capixaba e vantagem de dois pontos para o Brasil.

A Holanda voltou ao jogo e reduziu de três para um ponto a vantagem brasileira. Em ataque na rede, chegaram ao empate: 11 a 11.No lance seguinte, com bons contra-ataques, viraram o placar. Alison em sua especialidade, novamente brilhou com bloqueio e colocou o Brasil perto da final. No lance seguinte, Bruno defendeu, em um rally espetacular, e atacou no fundo, fechando o tie em 16 a 14 e a partida em 2 sets a 1. 

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro